Esportes

Jovem roda o mundo construindo pistas PumpTracks

Redação Digitais

Eduardo Arruda acredita que são as bicicletas que realmente movem o mundo!

Uma bike, muitos desafios e mil sonhos. Eduardo Arruda, um ituano de 22 anos, percebeu que poderia fazer muito mais pelo mundo fora da faculdade de Engenharia que fazia na Universidade Federal de Santa Catarina. Depois de dois anos estudando, partiu para os Estados Unidos com uma nova meta: construir “PumpTracks”.

Ainda que não muito conhecidas no Brasil, as Pump Tracks já fazem sucesso no mundo dos atletas há algum tempo. São pistas parecidas com as de BMX ou de saltos (dirt jump), só que em menor proporção em relação à altura dos obstáculos e objetivo. É um circuito com início, meio, mas nunca um fim: o ciclista só para de andar quando não aguenta mais.

No Brasil, Eduardo Arruda é um dos incentivadores do esporte. O ciclista já tem uma experiência reconhecida mundialmente quando o assunto é construção de Pump Tracks e aventuras. Já esteve em sete países diferentes por conta da carreira que decidiu seguir, entre eles: Estados Unidos, Canadá, Nova Zelândia e Austrália, que são os maiores polos do esporte.

 

A história por trás da história

Eduardo entende as duas fases do jogo: tanto a construção de uma pista como o sucesso nas manobras (Foto por: Arquivo pessoal)

Seu amor pela bike começou quando ainda era criança. “Quando eu tinha 11, 12 anos, me reunia com os meus amigos e construíamos pistas simples, só por diversão, para treinar manobras”, recorda. Com o passar do tempo, Eduardo entendeu que a bike tinha um significado muito maior do que esperava.

O primeiro contato com um projeto inteiro, desde o planejamento até a preparação e execução de uma pista, aconteceu em 2010, na pequena cidade de Cabreúva (65km de Campinas) para o Campeonato Brasileiro de Downhill e 4X. O sucesso foi tamanho que se repetiu em 2011.

Entenda as diferenças entre a tradicional BMX e a nova tendência das Pump Tracks! (Por: Ana Luísa Tomba)

Ao longo dos anos, Arruda foi ganhando experiência e criando contatos ao redor do mundo. No ano passado (2016), ao passar uma temporada na Califórnia, conseguiu concretizar o sonho de construir as tais pistas “Pump Track”, para o tradicional evento Sea Otter Classic e participou da filmagem da série “Flow Mode”, produzida pelo Canal Olímpico. “Ainda na Califórnia, tive a oportunidade de trabalhar nos bastidores de outros projetos com grandes nomes do segmento, como a Action Sports Construction e a Anthill Films”, completa.

O ciclista não poupa esforços quando o assunto é construir pista (Foto por: Arquivo pessoal)

 

No país

Ao voltar para o Brasil, Eduardo veio com uma missão: fomentar e incentivar o esporte ainda pouco conhecido no Brasil. Fez um curso para operar tratores e depois começou a construir pistas pelo país inteiro. Seu último grande trabalho foi a segunda Pump Track asfaltada pública do Brasil, em Mairiporã – SP (90km de Campinas).

Apesar de não poder falar muito sobre o próximo projeto, que envolve um programa de TV (e já está em andamento), Eduardo Arruda garante que tem gravado “aventuras em lugares inusitados do mundo”.

Com 34 títulos conquistados, sete países visitados, 25 pistas construídas, 19 vídeos produzidos e mais de 120 mil views, “Duda” pretende aumentar ainda mais esses números, à medida que sonha cada vez mais alto. Após uma rápida passagem ao Brasil, ele já está de volta ao Canadá.

Eduardo Arruda trabalhando em um dos maiores eventos do segmento: Sea Otter Classic (Foto por: arquivo pessoal)

“Mente leve!”

Quando questionado sobre o que o motiva a tanto trabalho, ele é enfático: “Crianças, a próxima geração. Quando participava de competições tinha o sonho de me tornar profissional de bike, logo percebi que era um processo muito complicado devido à falta de incentivo e patrocínios na indústria nacional. Decidi, então, viajar para conhecer outros países e entender o porquê e como funcionava a progressão do esporte. Foi aí que percebi o quanto o Brasil era carente da base, do básico. Um país com uma extensão territorial imensa, geografia e clima favorável, porém escasso de lugares seguros e progressivos para despertar entusiasmo em novos praticantes. Então, minha missão é criar entretenimento e proporcionar lugares mais acessíveis para crescer a base e expandir o mercado”, explica Eduardo Arruda.

Se interessou pelo esporte e pela profissão? Comece a amadurecer suas ideias com essas dicas! (Por: Ana Luísa Tomba)

Sobre os planos futuros, o foco continua sendo o incentivo ao entretenimento das gerações: “Quero criar Bike Parks para as pessoas se divertirem e sentirem o mesmo que sinto quando ando de bike todas as vezes: mente leve!”, conclui.

Editado por Carolina Sampaio


Veja mais matéria sobre Esportes

Desemprego atinge 60% dos jogadores de futebol no Brasil


Desemprego entra em campo e também atinge profissionais do esporte


Equipe treina para as Paraolimpíadas de Tóquio


O time GADECAMP de basquete está se preparando para as paraolimpíadas de Tóquio 2018


Times de Campinas apostam em reestruturação


Restruturação é vista como caminho para retomar os dias de glória do futebol da cidade


Projeto junta mães e bebês na prática de esportes


Projeto campineiro melhora a forma física de mães que cuidam de recém-nascidos


Falta de patrocínio no kart leva jovens a desistir do esporte


Redação Digitais No automobilismo o patrocínio é vital para o piloto, sem ele é impossível


Preconceito ainda está presente no meio esportivo


Redação Digitais O preconceito continua a ditar a dinâmica de muitos esportes. Infelizmente são comuns



Pesquise no digitais

Siga – nos

Leia nossas últimas notícias em qualquer uma dessas redes sociais!

Campinas e Região


Trânsito em Campinas

Facebook

Expediente

Digitais é um produto laboratorial da Faculdade de Jornalismo da PUC-Campinas, com publicações desenvolvidas pelos alunos nas disciplinas práticas e nos projetos experimentais para a conclusão do curso. O layout foi desenvolvido em parceria com o Departamento de Desenvolvimento Educacional (DDE) da instituição. Alunos monitores/editores de Agosto a Dezembro de 2017: Breno Behan, Breno Martins, Caroline Herculano, Enrico Pereira, Giovanna Leal, Láis Grego, Luiza Bouchet, Rafael Martins. Professores responsáveis: Edson Rossi e Rosemary Bars. Direção da Faculdade de Jornalismo: Lindolfo Alexandre de Souza.

Assinar por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar e receber notificações de novas publicações por e-mail.