Esportes

Aluna da PUC-Campinas disputa campeonatos de futebol pela Ponte Preta

Redação Digitais

A estudante de administração da PUC-Campinas e palmeirense roxa, Alice Campos, de 20 anos, disputa o campeonato brasileiro e paulista de futebol feminino pelo time da Ponte Preta, de Campinas.

A paixão pelo esporte veio desde pequena. Aos cinco anos, Alice já jogava bola e contava com a experiência do pai, que também jogava pela Ponte. “Meu pai pegava a bola e brincava comigo para eu aprender a andar”, conta.

Jornada

O sucesso da estudante nas quadras e campos foi crescendo cada vez mais. Quando criança, Alice começou em uma escola de futebol em Mogi Mirim. Em seguida, disputou campeonatos de futsal pelo Guarani, quando se mudou para Campinas e foi até São Paulo, a convite do time Palmeiras. A atleta também recebeu uma proposta para fazer parte da seleção paulista de futsal, e partiu para Manaus disputar o campeonato brasileiro.

Mas foi quando recebeu um convite da Portuguesa que Alice começou a jogar futebol de campo. Atualmente, a jovem faz parte do time de Valinhos, que deu origem ao time feminino atual da Ponte. Foi através de uma parceria entre os times que a Ponte surgiu no futebol feminino.

A parceria entre o clube de Valinhos e a Ponte formou o time feminino que Alice joga (Foto: Nathália Bisson)

Obstáculos

Apesar da carreira de Alice como jogadora estar deslanchando, a estudante conta que o futebol feminino não tem investimento. “É muito difícil ter campeonatos. Não tem estrutura adequada para treinar, não tem uma base de formação para as meninas que querem chegar na seleção”, desabafa.

Alice conta que o futebol feminino no Brasil sofre muitos problemas devido a falta de apoio e incentivo. A falta de investimento financeiro também prejudicar a prática. “Já melhorou muito. Hoje existe categoria de formação com campeonato paulista, já tem mais dinheiro envolvido, o que ajuda bastante. Mas não chega nem perto da base que o futebol masculino tem”, relata.

Apesar dos obstáculos, a estudante conta com o apoio familiar. “Minha família me apoiou desde sempre. Minha mãe me levava de cima para baixo, ela ia comigo nos treinos e esperava durante horas. Meu pai era jogador, então sempre me apoiou também”, conta.

Alice Campos jogando pela Ponte Preta (Foto: Reprodução/Facebook)

Aspirações para o futuro 

O sonho de Alice é jogar em um clube internacional bem estruturado. A atleta já recebeu três propostas para jogar e estudar nos Estados Unidos, com bolsa, e pretende seguir a carreira apenas no exterior. “Eu sofro muito para conciliar os estudos com o futebol na Ponte. E lá fora é totalmente ao contrario, dá pra conciliar”, afirma.

A jovem ainda afirma que o futebol é um esporte para todos e que não da bola para o preconceito. “Se eu nasci com esse dom, eu tenho que jogar. Não adianta eu parar de fazer isso porque as pessoas acham que é um esporte para meninos. Eu gosto muito e sempre vou continuar jogando”, conclui

Editado por Júlia Groppo


Veja mais matéria sobre Esportes

Desemprego atinge 60% dos jogadores de futebol no Brasil


Desemprego entra em campo e também atinge profissionais do esporte


Equipe treina para as Paraolimpíadas de Tóquio


O time GADECAMP de basquete está se preparando para as paraolimpíadas de Tóquio 2018


Times de Campinas apostam em reestruturação


Restruturação é vista como caminho para retomar os dias de glória do futebol da cidade


Projeto junta mães e bebês na prática de esportes


Projeto campineiro melhora a forma física de mães que cuidam de recém-nascidos


Falta de patrocínio no kart leva jovens a desistir do esporte


Redação Digitais No automobilismo o patrocínio é vital para o piloto, sem ele é impossível


Preconceito ainda está presente no meio esportivo


Redação Digitais O preconceito continua a ditar a dinâmica de muitos esportes. Infelizmente são comuns



Pesquise no digitais

Siga – nos

Leia nossas últimas notícias em qualquer uma dessas redes sociais!

Campinas e Região


Trânsito em Campinas

Facebook

Expediente

Digitais é um produto laboratorial da Faculdade de Jornalismo da PUC-Campinas, com publicações desenvolvidas pelos alunos nas disciplinas práticas e nos projetos experimentais para a conclusão do curso. O layout foi desenvolvido em parceria com o Departamento de Desenvolvimento Educacional (DDE) da instituição. Alunos monitores/editores de Agosto a Dezembro de 2017: Breno Behan, Breno Martins, Caroline Herculano, Enrico Pereira, Giovanna Leal, Láis Grego, Luiza Bouchet, Rafael Martins. Professores responsáveis: Edson Rossi e Rosemary Bars. Direção da Faculdade de Jornalismo: Lindolfo Alexandre de Souza.

Assinar por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar e receber notificações de novas publicações por e-mail.