Economia

Previdência privada é alternativa para jovens que já pensam em aposentadoria

Por Rafaela Galvão

Após o governo interino do presidente Michel Temer anunciar uma reforma na previdência social, a procura pelo termo “previdência privada” triplicou no último mês segundo o Google Trends. E não foi só a pesquisa que aumentou. De acordo com a  Fenaprevi (Federação Nacional de Previdência Privada e Vida), as contribuições em planos de previdência privada somaram R$ 52 bi no primeiro semestre deste ano. Isso significa um crescimento de 13% em comparação ao mesmo período do ano passado.

Na Região Metropolitana de Campinas, os investimentos em previdência privada chegaram a subir 35% no primeiro semestre de 2016, segundo dados da Caixa Econômica Federal. Natália Sabidussi, de 25 anos, faz parte dessa porcentagem. A jovem contribui com a previdência privada e afirma estar satisfeita com o investimento por ser uma boa alternativa para poupar dinheiro a longo prazo. Natália pensa no futuro: “é uma certeza de que você está amparado quando se aposentar.. Como as leis tendem a mudar, não sabemos se teremos direito à aposentadoria do governo”, argumenta.

 

O brasileiro não tem o hábito de investir nesse tipo de previdência. Para o professor de Economia Izaias Borges, isso acontece porque o Brasil “ainda tem uma previdência social que funciona razoavelmente bem. Os países em que a previdência privada é mais popularizada são aqueles em que a social não é tão boa, como a Coreia do Sul”. No entanto, há uma mudança de cultura em relação a essa postura. “Vem crescendo bastante a preocupação com o futuro e o interesse pela previdência. A geração que hoje tem 20 anos tem expectativa de vida maior do que no passado. Estima-se que essa geração ultrapasse os 90 anos, portanto pensar a longo prazo começa a ser bem mais importante do que antes”, argumenta o economista.

Uma pesquisa realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) aponta que a pirâmide etária do Brasil está sofrendo inversão. Desta forma, o INSS deverá estabelecer um teto da aposentadoria, o que para algumas pessoas pode significar queda de renda e necessidade de renda complementar. Assim, adquire-se maior cuidado acerca do futuro.

A universitária Pamela Souza, de 21 anos, não acredita que a previdência privada seja vantajosa. A estudante de Administração preocupa-se com sua velhice e costuma pesquisar sobre os melhores fundos de investimento. A jovem crê que a previdência social pode valer a pena sim, mas alerta: “apesar de a aposentadoria ser um ponto muito importante a se pensar, deve-se ficar atento às leis que mudam ano após ano e se reajustam também, principalmente em relação às aposentadorias por tempo de serviço”.

Além da previdência privada, existem outras formas de aplicar dinheiro, como títulos públicos e ações. No entanto, o especialista Izaias Borges previne: deve haver cautela ao tomar a decisão de arriscar investir por conta própria, pois, diferentemente da previdência privada, alguns desses investimentos cobram taxas. “Além disso, você pode acabar gastando o dinheiro. Na previdência você não pode mexer. É um fundo de reserva. Hoje ela remunera mais do que a poupança, por exemplo”, completa o economista.

Editado por Thais Bueno


Veja mais matéria sobre Economia

Mercado pet cresce para atender demanda


56% das casas de Campinas possuem animais de estimação


Cresce o número de e-books


Apesar da tecnologia, leitores preferem o modelo físico de livros


Americana tem queda no número de indústria têxtil


Números de industrias do setor representa 3,42% do total de empresas na cidade


Jovens encontram forma criativa para investir


Muitos jovens encontraram no empreendedorismo uma fonte de renda


Desemprego cresce cerca de 3% em Campinas


Desemprego aumenta na cidade e chega à 24.727 pessoas sem trabalho


Balança comercial da RMC tem déficit no primeiro semestre


Cidades da região importaram quase três bilhões de dólares a mais do que exportaram



Pesquise no digitais

Siga – nos

Leia nossas últimas notícias em qualquer uma dessas redes sociais!

Campinas e Região


Trânsito em Campinas

Facebook

Expediente

Digitais é um produto laboratorial da Faculdade de Jornalismo da PUC-Campinas, com publicações desenvolvidas pelos alunos nas disciplinas práticas e nos projetos experimentais para a conclusão do curso. O layout foi desenvolvido em parceria com o Departamento de Desenvolvimento Educacional (DDE) da instituição. Alunos monitores/editores de Agosto a Dezembro de 2017: Breno Behan, Breno Martins, Caroline Herculano, Enrico Pereira, Giovanna Leal, Láis Grego, Luiza Bouchet, Rafael Martins. Professores responsáveis: Edson Rossi e Rosemary Bars. Direção da Faculdade de Jornalismo: Lindolfo Alexandre de Souza.

Assinar por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar e receber notificações de novas publicações por e-mail.