Reportagens

Vagas de estágio diminuem com alta do desemprego

Por Giovanna Favaretto

O ano de 2015 foi, economicamente, difícil para a maioria dos brasileiros. Com altas no desemprego, o quarto trimestre registrou taxa de desocupação de 9% segundo o IBGE – 9,1 milhões de pessoas desempregadas –, sendo que o primeiro trimestre de 2016 fechou com taxa de 10,9% de desocupação. No quarto trimestre de 2014, a taxa de desocupação estava em 6,5%. Um ano depois, 2015 trazia uma taxa 40,8% maior e o desemprego segue subindo em 2016.

Paola Sell, de 26 anos, formada em psicologia pela Uniandrade em 2015, começou a estagiar logo no início da vida universitária. Durante os últimos 6 meses de faculdade, ela fez estágios voluntários, exigência da grade curricular do curso, trabalhando com idosos.

1780799_871057782940618_330913629547020853_n

Paola Sell, 26, encontra dificuldades na busca por emprego/ Foto: Paola Sell (arquivo pessoal)

No final do ano passado, Paola, que morava em Curitiba, mudou-se para São Paulo e afirma que está difícil conseguir um emprego. Nesse contexto, ela chegou, inclusive, a pagar sites que auxiliam na procura de trabalho e conta que achou que seria mais fácil.“Agora, consigo ver o número de pessoas se candidatando para as vagas que quero e a situação fica mais complicada. Para algumas vagas, o número de pessoas enviando currículo é superior a 4 mil”.

A dificuldade da jovem reflete a de milhares de brasileiros que também buscam emprego em tempos de crise. Tirando o foco da psicologia, ela entregou currículos no shopping próximo a sua casa e está trabalhando como vendedora em uma loja.“Apesar de não ser na minha área, é um começo. Assim dá para esperar surgir uma oportunidade no que realmente quero fazer”.

O Nube (Núcleo Brasileiro de Estágios), organização privada de colocação de jovens no mercado de trabalho, em pesquisa realizada com 17.809 pessoas entre 14 e 25 de março de 2016, registrou que 80,5% dos participantes acredita que a busca por uma vaga está mais difícil, pois há mais concorrência; 11,69% afirmam que as empresas estão mais exigentes; 4,27% dos participantes não notou diferença e 3,99% observam que a busca por uma vaga está mais fácil.

O sentimento de 92,19% dos participantes no levantamento do Nube reflete o quadro de desemprego nacional: há mais concorrência porque existe um menor número de oportunidades, ao mesmo tempo em que as empresas estão mais exigentes pelo mesmo motivo.

Os estágios também sofreram com a alta do desemprego. Segundo a coordenadora de treinamento do Nube, Eva Buscoff, as empresas estão temerosas quanto ao futuro econômico do país, tendo em vista as incertezas políticas. Ainda assim, ela ressalta que as empresas não deixaram de contratar estagiários. “Observamos, no atual contexto, a adoção de uma postura conservadora no quesito contratação, de fato, mas não uma interrupção brusca”, pontua Eva.

tchu

(Créditos: Giovanna Favaretto)

Considerando os alunos de ensino superior, ensino médio e ensino médio técnico, segundo dados do Inep e do MEC de 2013 e 2014, o Brasil possui 16,1 milhões de possíveis estagiários. No entanto, segundo levantamento da ABRES (Associação Brasileira de Estágios), desse total, apenas 6,2% conseguem estagiar – quase 1 milhão de jovens.

Eva Buscoff OK1

Eva Buscoff, coordenadora de treinamento do Nube/ Foto: reprodução Nube

Assim, Eva Buscoff explica que o Nube percebeu uma queda de 7,9% no número de vagas oferecidas entre 2014 e 2015, e 14,6% entre 2015 e 2016. “Logo, é preciso superarmos a crise econômica e política, para assegurarmos uma estabilidade no mercado de trabalho brasileiro, a curto, médio e longo prazo”.

No entanto, a coordenadora afirma que a contratação de estagiários é sempre um investimento, em tempos de crise ou não. “O momento de crise econômica nos mostra o quanto é importante investir e capacitar jovens profissionais. É uma atitude estratégica apostar e desenvolver uma pessoa em início de carreira, com perfil receptivo, iniciativa e muita energia para aprender e absorver os ensinamentos do gestor, ainda mais ao considerarmos a inexistência de vícios por parte de tal iniciante”.

Editado por Laura Baiè.


Veja mais matéria sobre Reportagens

Detergente é o vilão no Tietê


Lixo doméstico é responsável por 85% da degradação do rio


Lavagem com água reduz resíduos nos alimentos


Hortaliça mais popular na mesa dos brasileiros pode ter resíduos eliminados apenas com lavagem


A moda consciente que desacelera o guarda-roupa


Você sabia que por trás de cada roupa há uma história? Conheça o Slow Fashion


Boas ações cotidianas ganham destaque na mídia


Atitudes como a do jogador Rodrigo Caio ganham destaque em discussão sobre ética


A tendência slow na alimentação


Redação Digitais Por Ana Luísa Tomba e Júlia Groppo            


Brechós virtuais atraem jovens na hora das compras


Redação Digitais Por Caroline Herculano e Raíssa Acácio No Brasil existem 14.590 empresas que vendem



Pesquise no digitais

Siga – nos

Leia nossas últimas notícias em qualquer uma dessas redes sociais!

Campinas e Região


Trânsito em Campinas

Mais Acessadas

Facebook

Expediente

Digitais é um produto laboratorial da Faculdade de Jornalismo da PUC-Campinas, com publicações desenvolvidas pelos alunos nas disciplinas práticas e nos projetos experimentais para a conclusão do curso. O layout foi desenvolvido em parceria com o Departamento de Desenvolvimento Educacional (DDE) da instituição. Alunos monitores/editores de Agosto a Dezembro de 2017: Breno Behan, Breno Martins, Caroline Herculano, Enrico Pereira, Giovanna Leal, Láis Grego, Luiza Bouchet, Rafael Martins. Professores responsáveis: Edson Rossi e Rosemary Bars. Direção da Faculdade de Jornalismo: Lindolfo Alexandre de Souza.

Assinar por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar e receber notificações de novas publicações por e-mail.