Variedades/Cultura

Bocha conquista novos praticantes em Campinas

Há quem diga que a bocha é um esporte da terceira idade, já que é muito popular entre os mais velhos, mas Francisco de Assis Ienne, presidente do Clube de Bocha Santo Antônio, conta a importância do esporte para as gerações mais novas. “Eu pretendo, antes de terminar minha carreira, começar uma escola de bocha, porque aqui em Campinas não tem nenhuma. Minha prioridade para o ano que vem é trazer os garotos para conhecer o que é a bocha e o que é amigo bochófilo”, diz.

Adauto Alves Maia e José Donato, da esquerda para a direita, segurando as medalhas de bronze que o time recebeu ao jogar pelo Clube Cultura. Foto: Bruna Said

E é com esse discurso que Ienne incentiva o filho, de apenas 6 anos, a seguir a carreira de jogador. O sorriso inocente de Guilherme, em meio às canchas (pista preparada para diversas modalidades de jogos), agora de piso sintético, alegrava o ambiente cheio de histórias para contar. O menino encheu o peito para dizer “Quero honrar meu pai no clube!”. Mas nem sempre foi assim.

Francisco Ienne, presidente do Clube de Bocha Santo Antônio, segurando a medalha de bronze que o time recebeu ao jogar pelo Clube Cultura. Foto: Bruna Said

A bocha não foi renovada e incentivada entre os jovens porque, antigamente, o esporte era restrito para maiores de 18 anos, como conta Francisco Ienne ao lado dos companheiros de time, Adauto Alves Maia e José Donato.

“O esporte é uma forma das crianças conseguirem valorizar a amizade e adquirir concentração.”, diz Ienne.

Os clubes e a liga

O Clube de Bocha Santo Antônio começou há 51 anos, com canchas de piso de saibro, atrás da Igreja Santo Antônio. A bocha, esporte muito popular nos anos 1950, é uma forma que a velha guarda campineira encontrou de manter viva as lembranças de um passado entre amigos. São cinco clubes de bocha em Campinas, sendo eles Clube João Jorge, Clube Santo Antônio, Clube Vila Marieta (apenas de bocha), Clube Regatas e Clube Concórdia.

O patrocínio da Sanasa, que já está no quarto ano, garante transporte aos jogadores para participarem dos campeonatos e ajuda o Clube de Bocha Santo Antônio a ter equipes mais preparadas para competir.

Jogadores na cancha 1, jogando no Clube de Bocha Santo Antônio, em Campinas. Foto: Bruna Said

“Em média são 5 campeonatos por ano, dentre eles o Regional Metropolitano e o Estadual, na região de Campinas”, diz Carlo Zanatta, ex presidente da Liga Campineira de Bocha. (que agrega várias cidades de RMC). Além desses, existem em média 11 campeonatos em São Paulo, como mostra na imagem.

Por Bruna Said

A história

A bocha chegou ao Brasil nos anos 1950 e se popularizou pelos imigrantes italianos da época. Este esporte, pouco conhecido atualmente, ainda é praticado por todo o país e proporciona muitos benefícios à saúde, como bem estar, concentração e uma alternativa divertida para acabar com o sedentarismo.(ROSEMARY BARS)


Veja mais matéria sobre Variedades/Cultura

O neologismo das minorias


Empoderamento entra de vez em discursos de movimentos sociais, em especial na luta feminina


Polo de Paulínia de 470 milhões está abandonado


O complexo cinematográfico conta com estúdios de gravação, rodoviária, shopping e hotel


Volta dos vinis animam as vendas e colecionadores


O mercado de disco de vinil cresceu só em 2017, 3,1% e entusiasma as vendas


Revista Palco traz tendências de arte e cultura


Produção conta histórias e tendências referentes ao teatro, à dança e à performance


Arte de rua: a expressão de um movimento urbano


Street art ganha destaque em Campinas e conquista cada vez mais adeptos


Ex- alunos do Projeto Guri levam música ao exterior


Ex- integrantes do projeto compartilham o amor pela música fora do país



Pesquise no digitais

Siga – nos

Leia nossas últimas notícias em qualquer uma dessas redes sociais!

Campinas e Região


Trânsito em Campinas

Mais Acessadas

Facebook

Expediente

Digitais é um produto laboratorial da Faculdade de Jornalismo da PUC-Campinas, com publicações desenvolvidas pelos alunos nas disciplinas práticas e nos projetos experimentais para a conclusão do curso. O layout foi desenvolvido em parceria com o Departamento de Desenvolvimento Educacional (DDE) da instituição. Alunos monitores/editores de Agosto a Dezembro de 2017: Breno Behan, Breno Martins, Caroline Herculano, Enrico Pereira, Giovanna Leal, Láis Grego, Luiza Bouchet, Rafael Martins. Professores responsáveis: Edson Rossi e Rosemary Bars. Direção da Faculdade de Jornalismo: Lindolfo Alexandre de Souza.

Assinar por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar e receber notificações de novas publicações por e-mail.