Economia

Jovens encontram forma criativa para investir

Descobrir seu ramo de negócio e utilizar de boas ideias para lucrar é a nova perspectiva de muitos jovens. Iara Battoni, de 31 anos, e Antônio Sérgio Giordano, de 22 anos empreendedores da Região Metropolitana de Campinas encontraram o seu caminho no mercado de trabalho formal e com criatividade e ousadia, conseguem obter sua própria renda.

Antonio Sérgio Giordano desenvolveu a impressora 3D para uso próprio. Foto: João Paulo Sales

Hoje, dois a cada três jovens tem planos para ser um empreendedor, segundo estudo de Jovens Empresários Empreendedores, realizado pela Conaj (Confederação Nacional de Jovens Empresários). As principais motivações são realização de um sonho (76,4%), qualidade de vida (75,6%), altos ganhos financeiros (70%), mercado promissor (66,1%) e não ter chefe (64,5%).

Para o coordenador do Núcleo de Jovens Empreendedores de Campinas Tiago Ferraz de Arruda e Aguirre, a vontade em abrir um negócio próprio é cada vez mais comum entre os jovens, mas afirma ser necessário entender se o desejo é por uma renda extra ou mudar efetivamente os rumos da carreira profissional.

Segundo ele, é possível ter um negócio seu e de sucesso. “Existem muitas oportunidades que não são exploradas e tudo depende de trabalho e dedicação, estudar o mercado, conversar com pessoas que podem ajudar a validar a ideia e aprender como algumas empresas resolvem um problema”, afirma Aguirre.

A figurinista Iara Battoni resolveu tomar um novo rumo em sua vida profissional. Após voltar do Rio de Janeiro, decidiu montar algo próprio e inovador por um curto período. “Resolvi montar algo temporário só para ganhar uma grana enquanto não sabia o que fazer. A ideia era simples: vender chocolate quente durante o inverno pela janela do meu antigo quarto, aproveitando o movimento do evento que tinha todo ano na cidade, o Festival de Inverno de Amparo”, relata.

Iara Battoni . Foto: João Paulo Sales

O curto período que Iara pretendia atuar transformou-se em cinco anos de funcionamento e hoje seu negócio próprio tem quase 15 sabores de palha italiana, sendo seu único meio de renda. Mas não foi sempre assim, a moradora da cidade de Amparo (SP) precisou trabalhar pesado para conseguir levantar sua empresa e ganhar dinheiro.

O público que conquistou a partir de seus doces representou um trabalho árduo e contínuo. “Durante dois anos trabalhei sozinha, era uma carga horária muito intensa, em média de 16h à 18hrs por dia, com produção intensa durante a semana e atendimento aos finais de semana. Hoje consigo pagar uma funcionária”, afirma Iara.

Em comparação com o empreendedorismo jovem de outros países no Brasil, 81% de jovens entrevistados pela Conaj disse ter montado seu próprio negócio sozinho e utilizar da internet como forma de investir.

Antônio Sérgio Giordano, proprietário da loja online ‘Pixelado’, também escolheu seguir seu caminho próprio para ganhar dinheiro. Há um ano e meio ele ousou da criatividade para montar a própria impressora 3D e atacar nas vendas do mercado online. “A loja no Facebook surgiu com o intuito de ramificar o trabalho de impressão 3D pela rede social, por ser um meio de informação facilmente acessada por várias pessoas, facilitando a divulgação do trabalho”, disse.

De acordo com o jovem, foi necessário um investimento de R$ 2,5 mil reais para começar seu negócio. Giordano comentou que precisou estudar softwares e hardwares por um mês antes de montar por conta própria a impressora 3D. (orientação Rosemary Bars)


Veja mais matéria sobre Economia

Mercado pet cresce para atender demanda


56% das casas de Campinas possuem animais de estimação


Cresce o número de e-books


Apesar da tecnologia, leitores preferem o modelo físico de livros


Americana tem queda no número de indústria têxtil


Números de industrias do setor representa 3,42% do total de empresas na cidade


Desemprego cresce cerca de 3% em Campinas


Desemprego aumenta na cidade e chega à 24.727 pessoas sem trabalho


Balança comercial da RMC tem déficit no primeiro semestre


Cidades da região importaram quase três bilhões de dólares a mais do que exportaram


Mudanças nas leis do home office começam em novembro


Reforma Trabalhista altera regras para quem trabalha em casa



Pesquise no digitais

Siga – nos

Leia nossas últimas notícias em qualquer uma dessas redes sociais!

Campinas e Região


Trânsito em Campinas

Facebook

Expediente

Digitais é um produto laboratorial da Faculdade de Jornalismo da PUC-Campinas, com publicações desenvolvidas pelos alunos nas disciplinas práticas e nos projetos experimentais para a conclusão do curso. O layout foi desenvolvido em parceria com o Departamento de Desenvolvimento Educacional (DDE) da instituição. Alunos monitores/editores de Agosto a Dezembro de 2017: Breno Behan, Breno Martins, Caroline Herculano, Enrico Pereira, Giovanna Leal, Láis Grego, Luiza Bouchet, Rafael Martins. Professores responsáveis: Edson Rossi e Rosemary Bars. Direção da Faculdade de Jornalismo: Lindolfo Alexandre de Souza.

Assinar por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar e receber notificações de novas publicações por e-mail.