Educação

Debate de cotas raciais mobiliza alunos

A aprovação da formação de um Grupo de Trabalho que vai elaborar a proposta de implementação de cotas étnico-raciais a partir de 2019 pela Unicamp tem mobilizado diversos estudantes. A reunião do Conselho Universitário (Consu) para decidir a pauta ocorreu na última terça-feira (30), presidida pelo novo reitor da universidade, Marcelo Knobel, e determinou que, em breve, cotas étnico-raciais serão gradativamente inseridas no vestibular da universidade estadual.

O professor do IFCH (Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp) e presidente do Grupo de Trabalho determinado pelo Consu acerca da política de cotas diz ao Digitais que, em sua opinião, a universidade precisa muito adotar esse tipo de cota justamente por ser pública. “A Unicamp é financiada pela sociedade e tem que ter no seu interior políticas que assegurem, realmente, a democratização do acesso e fazer com que o ambiente seja o mais plural e dinâmico possível”, explica. “Este é o objetivo do grupo de trabalho”.

Já os alunos têm opiniões divididas. A estudante de Ciências Humanas Julia Willmers, por exemplo, defende a adoção desse tipo de cota. “No meu ambiente de estudo há pouquíssimos colegas negros, sendo que um é bolsista haitiano. Ao ver isso, passei a perceber o vestibular como uma barreira social e racial muito grande para a entrada de negros no ensino superior”, explica Julia. “Universidades públicas são hoje muito difíceis de entrar no Brasil e isso não é justo perante essa parcela da população, que é extremamente marginalizada do ponto de vista social”.

A estudante de Música Mariana Miccolli, tem dúvidas quanto a isso. “Para mim, a necessidade de existir cotas é questionável. É algo ruim porque todos são e deveriam ser tratados como iguais e o processo de vestibular é muito desafiador para todos. As provas são difíceis”, explica a estudante. “Ao mesmo tempo, não consigo dizer que sou contra porque a verdade é que pessoas negras simplesmente não têm o mesmo nível de oportunidade na sociedade que as pessoas brancas ainda. Nesse caso, as cotas são justificáveis”, completa.

O presidente do Grupo de Trabalho, Freitas Neto, afirma, diante desses questionamentos de estudantes, que o objetivo é adotar um sistema justo e inclusivo. “Nosso intuito é fazer com que a Unicamp seja inclusiva e possua representatividade de toda a sociedade paulista, que investe dinheiro na universidade, tanto em questões éticas quanto raciais”, conclui.

Por Isadora Gimenes

Editado por Murilo Pellucci


Veja mais matéria sobre Educação

Museu da Unicamp busca patrocínio para alunos


O Museu de ciências busca parcerias para transporte de alunos de escolas públicas


7.500 crianças sem vagas nas creches de Campinas


Mães enfrentam dificuldades em conseguir vagas para seus filhos na região


Enade: saiba tudo sobre a prova e entenda a sua aplicação


O Exame Nacional de Desempenho de Estudantes será no dia 26 de novembro de 2017


Design Thinking: Pesquisadora esclarece conceito


A nova metodologia vem sendo, cada vez mais, utilizada em diferentes segmentos


Universitários enfrentam o novo ENEM


O Exame Nacional do Ensino Médio, ENEM, que neste ano teve 6,1 milhões de inscrições, não atrai somente alunos do ensino médio, mas


Lei Brasileira de Inclusão regulamenta ensino superior para portadores de deficiência


Por Thalyta Martins   A Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência, que entrou



Pesquise no digitais

Siga – nos

Leia nossas últimas notícias em qualquer uma dessas redes sociais!

Campinas e Região


Trânsito em Campinas

Facebook

Expediente

Digitais é um produto laboratorial da Faculdade de Jornalismo da PUC-Campinas, com publicações desenvolvidas pelos alunos nas disciplinas práticas e nos projetos experimentais para a conclusão do curso. O layout foi desenvolvido em parceria com o Departamento de Desenvolvimento Educacional (DDE) da instituição. Alunos monitores/editores de Agosto a Dezembro de 2017: Breno Behan, Breno Martins, Caroline Herculano, Enrico Pereira, Giovanna Leal, Láis Grego, Luiza Bouchet, Rafael Martins. Professores responsáveis: Edson Rossi e Rosemary Bars. Direção da Faculdade de Jornalismo: Lindolfo Alexandre de Souza.

Assinar por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar e receber notificações de novas publicações por e-mail.