Variedades/Cultura

Polo de Paulínia de 470 milhões está abandonado

Por Mário Gregório

Estrutura abandonada está há quatro sem receber nenhum projeto audiovisual – Foto – Mário Gregório

Janelas quebradas, espaços ociosos, vandalismo e estrutura comprometida. Essa é situação em que se encontra a Escola Magia do Cinema em Paulínia, um projeto ambicioso que completa dez anos em 2017. O objetivo era transformar a cidade em referência na produção audiovisual e na formação de diretores, técnicos de cinema e atores, mas agora parece reduzido a um grande elefante branco. “O espaço foi importante para fomentar e estimular o cinema da região. Conheço pessoas que passaram pela escola e hoje estão colocadas no mercado audiovisual, algo que é complicado dado a restrição que este mercado possuí”, afirma o cineasta e professor da PUC-Campinas, Cauê Nunes, que participou por três anos do Festival de Cinema de Paulínia, um dos projetos desenvolvidos no período em que o Polo estava ativo, de 2007 a 2013.

O complexo cinematográfico conta, além dos estúdios de gravação, com a rodoviária que recebe ônibus municipais e intermunicipais, um shopping e um hotel, localizado há poucos metros do local. Tudo pensado para atender às necessidades dos produtores que utilizassem o espaço. “Leva tempo para que um projeto como o de Paulínia seja consolidado. Isso poderia ter acontecido e o festival era um claro exemplo disso. Produções locais começariam a ser apoiadas, inclusive financeiramente”, conta Nunes. “Além disso, outro ponto importante eram as sessões de cinema gratuitas que aconteciam, formando assim um novo público consumidor das produções”, completa.

Além dos vidros quebrados nas janelas, encontrou ainda diversas vigas da estrutura dos prédios com ferrugens. Próximo à Escola Magia, estavam apenas dois meninos que usavam o estacionamento em frente à um dos estúdios para andar de skate e um vigilante.

Prédio abandonado é alvo de vandalismo – Foto – Mario Gregório

O projeto do polo custou mais de 470 milhões de reais aos cofres públicos. Dinheiro investido em uma estrutura que poderia produzir mais de cinquenta filmes por ano e que tinha como expectativa atrair trabalhadores e produtores audiovisuais. A partir de 2010, o Festival de Cinema de Paulínia também foi realizado e durou quatro anos. O objetivo era se transformar em uma vitrine na exibição das produções nacionais, algo parecido com o que acontece em Gramado, no Rio Grande do Sul.

Desde 2015, quando a novela da Record TV Escrava Mãe foi filmada pelo local, nenhuma outra produção foi realizada. Vale lembrar que importantes sucessos de bilheteria como O Palhaço (2011) protagonizado por Selton Mello e De Pernas Pro Ar (2009) foram filmados nas instalações da Escola Magia.

O prefeito de Paulínia Dixon Carvalho (PP), que recorre da decisão da Justiça Eleitoral que cassou seu mandato no dia 27 de setembro por divergências nas contas da campanha, afirma que existem conversas avançadas para que através de uma parceria com a iniciativa privada, as atividades sejam retomadas. “Nós esperamos que, até o final do ano, ou seja, em cerca de dois meses, as aulas no complexo sejam retomadas. Estamos fechando acordos para investimentos e também com algumas produtoras. Pretendemos também que os realizadores da região tenham espaço”, afirma. A Prefeitura argumenta que o local está fechado há tanto tempo pelas sucessivas trocas na administração municipal, graças a várias cassações desde 2009.

Estrutura que custou milhões ao cofre público é esquecida pelo poder público – Foto – Mario Gregório

 

 


Veja mais matéria sobre Variedades/Cultura

O neologismo das minorias


Empoderamento entra de vez em discursos de movimentos sociais, em especial na luta feminina


Volta dos vinis animam as vendas e colecionadores


O mercado de disco de vinil cresceu só em 2017, 3,1% e entusiasma as vendas


Revista Palco traz tendências de arte e cultura


Produção conta histórias e tendências referentes ao teatro, à dança e à performance


Bocha conquista novos praticantes em Campinas


Modalidade transmitida de geração para geração atrai o público jovem da cidade


Arte de rua: a expressão de um movimento urbano


Street art ganha destaque em Campinas e conquista cada vez mais adeptos


Ex- alunos do Projeto Guri levam música ao exterior


Ex- integrantes do projeto compartilham o amor pela música fora do país



Pesquise no digitais

Siga – nos

Leia nossas últimas notícias em qualquer uma dessas redes sociais!

Campinas e Região


Trânsito em Campinas

Facebook

Expediente

Digitais é um produto laboratorial da Faculdade de Jornalismo da PUC-Campinas, com publicações desenvolvidas pelos alunos nas disciplinas práticas e nos projetos experimentais para a conclusão do curso. O layout foi desenvolvido em parceria com o Departamento de Desenvolvimento Educacional (DDE) da instituição. Alunos monitores/editores de Agosto a Dezembro de 2017: Breno Behan, Breno Martins, Caroline Herculano, Enrico Pereira, Giovanna Leal, Láis Grego, Luiza Bouchet, Rafael Martins. Professores responsáveis: Edson Rossi e Rosemary Bars. Direção da Faculdade de Jornalismo: Lindolfo Alexandre de Souza.

Assinar por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar e receber notificações de novas publicações por e-mail.