Esportes

Projeto junta mães e bebês na prática de esportes

 

A gravidez é, sem dúvidas, um dos grandes marcos na vida de qualquer mulher. Alegre, complicada, conturbada, única e cheia de particularidades, a gestação termina com o nascimento do esperado bebê, mas o que vem depois disso exige ainda mais da mulher, física e psicologicamente. Para ajudar nesse processo, o projeto Mães Ativas é uma alternativa para as mães campineiras, e por que não, da região, buscarem uma melhora física e experienciar o processo pós-parto mais facilmente, e o melhor: na companhia do filho (a).

Idealizada pela fotógrafa Marina Martensen, 36, a iniciativa visa auxiliar as mães através de exercícios físicos ministrados por uma profissional, com o objetivo de melhorar a forma física e aproximar ainda mais as alunas de suas crianças. Durante as sessões, são propostas corridas rápidas, exercícios aeróbicos, alongamento e diversos movimentos inspirados nas técnicas do pilates. Não há limite de idade ou peso para participar, basta ter a iniciativa. A presença do bebê é opcional, mas se for levado, o pequeno vira até uma ferramenta para os trabalhos, já que as mamães são inclusive incentivadas a carregá-los, levantá-los e suspendê-los durante as aulas.

Segundo a criadora do Mães Ativas, o projeto surgiu de uma necessidade particular e, com a ajuda de uma conhecida no meio fitness, desenvolveu o projeto. “Quando minha filha tinha dois meses, eu quis retomar minhas atividades físicas, e apesar de gostar muito do esporte, me sentia um pouco culpada por deixá-la em casa com alguém, então passei a levá-la comigo para caminhar. Ali eu percebi que ela gostava de ter esse estímulo. Com a ajuda de uma profissional, nós montamos um projeto de aulas onde fosse possível se exercitar com o recém-nascido e socializar com outras mães na mesma situação”, conta Marina sobre o propósito das aulas e sua motivação.

Uma das participantes, Ira Chinellato, 36, conta que as aulas têm sido ótimas, e dá três motivos que a fazem frequentar os eventos duas vezes por semana. “Primeiro pela sanidade mental da mãe, porque é algo que ninguém te ensinou como faz e como é. Ter um lugar assim, preparado para te receber com o seu bebê é muito legal, o que não acontece em uma academia, por exemplo. Em segundo vem o exercício físico, que todo mundo precisa. E terceiro: não existe algo tão legal no mundo quanto fazer as atividades junto com ela, porque é muito divertido, tem troca de carinho, aumenta mais e mais a afinidade”, conta Ira enquanto segura a adormecida Catarina, de oito meses de vida.

Existem visões de especialistas que apontam uma alteração na composição do leite materno quando a mãe é exposta a muito esforço físico em atividades, o que prejudica a amamentação. Os hormônios liberados, teoricamente, intoxicam o leite, mas Marina afirma que se certificou com médicos, como ginecologistas e pediatras, sobre o tema. “O real problema é a pessoa não fazer uma administração correta do líquido. O principal ponto que eles falaram é a hidratação, por isso falamos muito para trazer água para as atividades, porque a mulher precisa estar hidratada antes, durante e depois, e assim não existe esse tipo de problema”.

As aulas semanais acontecem em locais diferentes: terças e quintas-feiras no bairro do Taquaral às 15h30 e segundas e quartas-feiras em Sousas, um pouco mais cedo, às 8h30. Para mais informações, endereços e contato, acesse o site do projeto Mães Ativas.

Por Murilo Pellucci

Editado por Larissa Alcântara


Veja mais matéria sobre Esportes

Desemprego atinge 60% dos jogadores de futebol no Brasil


Desemprego entra em campo e também atinge profissionais do esporte


Equipe treina para as Paraolimpíadas de Tóquio


O time GADECAMP de basquete está se preparando para as paraolimpíadas de Tóquio 2018


Times de Campinas apostam em reestruturação


Restruturação é vista como caminho para retomar os dias de glória do futebol da cidade


Falta de patrocínio no kart leva jovens a desistir do esporte


Redação Digitais No automobilismo o patrocínio é vital para o piloto, sem ele é impossível


Preconceito ainda está presente no meio esportivo


Redação Digitais O preconceito continua a ditar a dinâmica de muitos esportes. Infelizmente são comuns


Jovem roda o mundo construindo pistas PumpTracks


Redação Digitais Eduardo Arruda acredita que são as bicicletas que realmente movem o mundo! Uma



Pesquise no digitais

Siga – nos

Leia nossas últimas notícias em qualquer uma dessas redes sociais!

Campinas e Região


Trânsito em Campinas

Facebook

Expediente

Digitais é um produto laboratorial da Faculdade de Jornalismo da PUC-Campinas, com publicações desenvolvidas pelos alunos nas disciplinas práticas e nos projetos experimentais para a conclusão do curso. O layout foi desenvolvido em parceria com o Departamento de Desenvolvimento Educacional (DDE) da instituição. Alunos monitores/editores de Agosto a Dezembro de 2017: Breno Behan, Breno Martins, Caroline Herculano, Enrico Pereira, Giovanna Leal, Láis Grego, Luiza Bouchet, Rafael Martins. Professores responsáveis: Edson Rossi e Rosemary Bars. Direção da Faculdade de Jornalismo: Lindolfo Alexandre de Souza.

Assinar por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar e receber notificações de novas publicações por e-mail.