Variedades/Cultura

Ex- alunos do Projeto Guri levam música ao exterior

Igor Crecci, 23, formado em música pela Unasp (Centro Universitário Adventista de São Paulo) é baterista e percussionista e hoje vive na Noruega, em um programa de intercâmbio. Roberto Mochetti, 24, formado em Viola Erudita pela Unicamp, faz mestrado nos Estados Unidos. O que esses dois têm em comum? Além de jovens e compartilharem o interesse pela música, eles foram alunos do Projeto Guri.

Fundado em 1995 e mantido pela Secretaria do Estado de São Paulo, o Projeto Guri é considerado o maior projeto sociocultural brasileiro, oferecendo cursos como iniciação musical, canto coral, tecnologia em música, instrumentos de sopros, percussão e teclados para crianças e adolescentes de 6 a 18 anos. O programa atende atualmente mais de 49 mil alunos por ano, divididos em 400 polos no estado de São Paulo.

Igor Crecci, ex-aluno e professor do Guri, está na Noruega em um programa de intercâmbio.
Foto : Divulgação

Na RMC (Região Metropolitana de Campinas), as aulas são distribuídas em dez polos, que abriram mais de 220 vagas para esse semestre. Eles ficam em Monte Mor, Indaiatuba, Santo Antônio de Posse, Sumaré, Vinhedo, Pedreira, Nova Odessa, Santa Bárbara D’Oeste e, por fim, Campinas, com dois polos.

Igor Crecci conta que sempre gostou de batucar e, quando criança, vivia quebrando os baldes da mãe. “No Projeto Guri, nunca mais parei de tocar”, afirma. Ele estudou em Jaguariúna em 2012. Depois de completar 18 anos, ainda tocou no grupo de referência do projeto em Jundiaí por dois anos, até se formar em professor de percussão e bateria no polo de Pedreira, onde ainda permanece. Sobre o Projeto Guri, afirma ser importante para os alunos. “Sair do projeto como aluno e voltar como educador é uma prova de que o incentivo é bem grande”, disse.

O professor afastou-se de suas aulas, pois foi um dos seis escolhidos pelo programa de intercâmbio Move (Musicians and Organizers Volunteer Exchange), organizado pela JM Norway, em parceria com a Amigos do Guri – uma das gestoras do projeto. Há quase dois meses em Trondheim, na Noruega, Crecci comemora a oportunidade não só de estudar música em outro país, como também de poder levar a cultura brasileira, que é extremamente rica, a outros lugares.

Roberto Mochetti não sabe exatamente quando a paixão pela música começou, mas recorda os momentos em que o pai tocava violão, quando ainda era pequeno. “Eu adorava e desejava tocar também algum dia. Essa é a primeira lembrança que eu tenho de um desejo meu de produzir arte”, afirma. O músico começou os estudos em Pedreira, depois que viu um cartaz de propaganda pelas ruas da cidade.

Roberto Mochetti, ex-aluno do projeto, atualmente faz mestrado nos EUA. Foto: Divulgação

A decisão de ir para os Estados Unidos veio quando percebeu que não seria possível continuar os estudos no Brasil, já que não havia programas de mestrado em performance no seu instrumento, nem se quer grades parecidas com a de cursos no exterior. As alternativas eram ficar e escolher outra área, diferente da que queria, ou ir para outro país. Hoje ele vive em Thibodaux (LA), onde estuda no conservatório de uma universidade e pretende ficar até maio de 2018.

Para Mochetti, o Guri fez com que descobrisse e se apaixonasse pelo instrumento. Ressalta a importância de que projetos ofereçam aulas em grupo e em orquestra, aulas particulares, música de câmara, instrumentos com manutenções periódicas e, se possível, alguma ajuda em dinheiro para o estudante. “Eu acho que o problema começa quando o aluno decide se especializar, porque ele precisa de aula particular e ter um instrumento melhor. Qualquer profissional sabe disso. E quando o aluno não pode arcar com essas despesas?”.

Adriana Daldosso trabalha no projeto em Pedreira há 11 anos e foi professora de Mochetti e Crecci. “O Projeto Guri, como é um projeto sociocultural, a gente trata também a  disciplina, comportamento e sociabilidade”, afirma. Para ela, ascensão dos alunos serve de exemplos a outros estudantes do programa.

A menina Karen Mazzini, 6, inspirada pela família (a mãe é pianista, o pai DJ e o tio toca violino, trompete e piano) sonha em ter carreira na música. Ela começou esse ano no Projeto Guri de Pedreira e afirma querer seguir a carreira. “Quero ser violinista e pianista também, igual a minha mãe”. (Orientação Rosemary Bars).


Veja mais matéria sobre Variedades/Cultura

O neologismo das minorias


Empoderamento entra de vez em discursos de movimentos sociais, em especial na luta feminina


Polo de Paulínia de 470 milhões está abandonado


O complexo cinematográfico conta com estúdios de gravação, rodoviária, shopping e hotel


Volta dos vinis animam as vendas e colecionadores


O mercado de disco de vinil cresceu só em 2017, 3,1% e entusiasma as vendas


Revista Palco traz tendências de arte e cultura


Produção conta histórias e tendências referentes ao teatro, à dança e à performance


Bocha conquista novos praticantes em Campinas


Modalidade transmitida de geração para geração atrai o público jovem da cidade


Arte de rua: a expressão de um movimento urbano


Street art ganha destaque em Campinas e conquista cada vez mais adeptos



Pesquise no digitais

Siga – nos

Leia nossas últimas notícias em qualquer uma dessas redes sociais!

Campinas e Região


Trânsito em Campinas

Mais Acessadas

Facebook

Expediente

Digitais é um produto laboratorial da Faculdade de Jornalismo da PUC-Campinas, com publicações desenvolvidas pelos alunos nas disciplinas práticas e nos projetos experimentais para a conclusão do curso. O layout foi desenvolvido em parceria com o Departamento de Desenvolvimento Educacional (DDE) da instituição. Alunos monitores/editores de Agosto a Dezembro de 2017: Breno Behan, Breno Martins, Caroline Herculano, Enrico Pereira, Giovanna Leal, Láis Grego, Luiza Bouchet, Rafael Martins. Professores responsáveis: Edson Rossi e Rosemary Bars. Direção da Faculdade de Jornalismo: Lindolfo Alexandre de Souza.

Assinar por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar e receber notificações de novas publicações por e-mail.