Cidades/Geral

Caism mapeia aleitamento materno em Campinas

O Comitê Municipal de Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável pretende desenvolver uma pesquisa em Campinas para mapear as condições da amamentação no município. A informação é da neonatologista do Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher (Caism) e professora da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp, Mônica Aparecida Pessoto. Hoje, os dados registrados pelo Hospital Universitário da PUC-Campinas e na região Noroeste da cidade mostram que as estatísticas não são positivas. A duração média de aleitamento materno é de 90 dias, sendo que a recomendação oficial da Organização Mundial de Saúde (OMS) é de quatro a seis meses.

Essa é uma das justificativas pelo desenvolvimento de campanhas com foco na conscientização sobre a importância do aleitamento materno, como aconteceu no Agosto Dourado, promovida pelos professores da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp. Segundo Sérgio Tadeu Martins Marba, diretor do Departamento de Neonatologia, a proposta é divulgar a importância da amamentação para alunos, funcionários e comunidade em geral mantendo o foco no apoio institucional.

Marba afirmou também que é espera parcerias com as instituições, família e comunidade em geral no apoio à amamentação. Segundo ele, é necessário “discutir e refletir sobre a participação de diferentes atores no processo de amamentação”.  A proposta é reverter hábitos como a oferecer a mamadeira e a chupeta para o bebê, uma das primeiras causas do desmame precoce.

Em Campinas, 48% dos bebês usam chupeta nos primeiros seis meses de vida e 63,6%  tiveram desmame por causa da seca do leite e rejeição. O SUS (Sistema Único de Saúde) registou que 42,2% dos bebês são amamentados pelo leite materno. Já o sistema privado de saúde aponta que apenas 34,4% são amamentados, o que representa que apenas 38% das crianças são amamentadas até os 12 meses de vida.

 

A enfermeira Regina Paula Salazar, explica a importância do leite materno. Foto: Victória Prévidi.

 

Por Victória Prévidi

 

A prática da amamentação nos primeiros seis meses de vida do recém-nascido traz benefícios para a mãe e para o bebê. Além de aumentar a resistência do bebê, por atender as necessidades de nutrientes do bebê e reduzir as cólicas intestinais, há a interação entre mãe e filho, como conta Giulia Amorim, mãe do Arthur. “Eu incentivaria todas as mulheres a amamentarem pelo vínculo eterno com o seu filho, o que resulta em um sentimento de amor mútuo. Para mim foi a melhor e mais bonita forma de demonstração de amor e afeto que pode existir,” disse.

Porém, o corpo da mulher sofre com as mudanças físicas e muitas mães deixam de amamentar por terem fissuras ou rachaduras dos mamilos, ingurgitamento, inflamações no mamilo e seca do leite. Há também fatores sociais, econômicos e culturais que influenciam na hora da mulher escolher se vai amamentar ou não.

Marcela Munhoz, mãe da Lívia teve mastite nos primeiros dias. “Fui ao banco de leite, aprendi a tirar o excesso e ficou tudo bem”, disse. A médica Mônica Aparecida Pessoto recomenda que a mulher acredite no seu instinto materno e deixe que o corpo conecte-se com o bebê “para a amamentação não se tornar um trauma”. Nessas situações, a mãe deve procurar ajuda na maternidade onde ocorreu o parto, banco de leite, unidade básica de saúde e em grupos de apoio ao aleitamento materno.

Marcela e sua filha Lívia. Foto: Victória Prévidi.

 

Legislação e direitos das mães – Desde setembro de 2016, Campinas tema a lei municipal 15.296 que garante às mães o direito de amamentar em qualquer local que estiverem, abertos ou fechados, público ou privado. A multa prevista para o estabelecimento que impedir uma mulher de amamentar é equivalente a de R$ 500,00.

As servidoras lactantes da Câmara Municipal de Campinas terão uma hora por dia para amamentar os seus filhos: poderá escolher sair mais cedo ou chegar mais tarde ou até acrescentar uma hora a mais de almoço. O benefício será para servidoras ocupantes de cargo em comissão ou função gratificada. (Orientação Rosemary Bars)

 


Veja mais matéria sobre Cidades/Geral

Detergente é o vilão no Tietê


Lixo doméstico é responsável por 85% da degradação do rio


11 cidades da RMC coletam e tratam mais de 80% do esgoto


20 municípios da Região Metropolitana de Campinas tem altos índices de coleta e tratamento de esgoto


Biblioteca de Sousas está fechada há um ano


A Prefeitura não renovou o contrato de locação do local onde as atividades funcionavam


Jaguariúna é a única da RMC que tem 13° para vereadores


Benefício foi aprovado pela Câmara e sancionado pelo Executivo em outubro


Inclusão escolar é dificuldade para as escolas campineiras


Estudantes com necessidades especiais encontram dificuldades nas escolas campineiras.


Laços de Honra: o outro lado do Exército


Aluna do 3° ano de jornalismo faz registros fotográficos do Exército Brasileiro



Pesquise no digitais

Siga – nos

Leia nossas últimas notícias em qualquer uma dessas redes sociais!

Campinas e Região


Trânsito em Campinas

Facebook

Expediente

Digitais é um produto laboratorial da Faculdade de Jornalismo da PUC-Campinas, com publicações desenvolvidas pelos alunos nas disciplinas práticas e nos projetos experimentais para a conclusão do curso. O layout foi desenvolvido em parceria com o Departamento de Desenvolvimento Educacional (DDE) da instituição. Alunos monitores/editores de Agosto a Dezembro de 2017: Breno Behan, Breno Martins, Caroline Herculano, Enrico Pereira, Giovanna Leal, Láis Grego, Luiza Bouchet, Rafael Martins. Professores responsáveis: Edson Rossi e Rosemary Bars. Direção da Faculdade de Jornalismo: Lindolfo Alexandre de Souza.

Assinar por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar e receber notificações de novas publicações por e-mail.