Estilo de Vida

Amor entre brasileiro e tailandesa vence distância

Ele nasceu e mora em Campinas. Atualmente, faz faculdade de engenharia elétrica. Pailin mora em Chiang Mai, segunda maior cidade da Tailândia, onde faz faculdade de animação e programação para jogos. Os dois conversaram durante cerca de 2 anos pela internet antes de decidirem se encontrar pessoalmente. “Não sentimos medo porque no começo não esperávamos que chegaria a isso. Começamos a conversar como amigos, sempre conversando sobre tudo: cultura, nosso dia-a-dia, problemas na faculdade e trabalho. Então foi algo que foi acontecendo naturalmente”, explica Lombardo.

A vontade de se encontrar pessoalmente já existia desde o primeiro ano que estavam conversando, mas tanto ele quanto ela trabalham e estudam, por isso sempre era difícil de calhar os dias de férias. Até que em dezembro de 2016, as datas coincidiram. “Quando nos encontramos no aeroporto, tanto para mim como para ela foi um choque ver na sua frente a pessoa que ficou falando com você durante anos e, após tanto tempo, finalmente deu certo de nos encontrarmos. Foi algo como: “Oh meu Deus, será que é ela? Isso é verdade? Ela está aqui comigo agora? É muito emocionante”, conta Lombardo.

Veja o registro do encontro:

Os pais deles atualmente incentivam o namoro. “No começo, ficam preocupados devido à distância, viagem e pela cultura, se vai dar certo ou não, assim como eu e ela ficamos também. Mas deu tudo certo no final”, completa Lombardo. A rotina do casal é muito corrida e, por isso, não se falam tanto durante o dia, até por conta do fuso horário (10 horas à frente do horário de Brasília), mas mesmo assim conseguem conversar por chamadas de vídeo todos os dias.

A comemoração dos dias dos namorados deste ano para o casal vai ser da mesma forma que celebram outras datas especiais. “Normalmente nós assistimos a filmes juntos e fazemos surpresas um para o outro e no aniversário a gente compra bolo, canta parabéns. Mesmo procedimento, porém a distância”, diz ele. Agora, os dois já têm planos para o futuro. “Nosso primeiro passo é terminar nossa graduação, e aí temos o plano dela vir para o Brasil e ficar aqui por algum tempo, e depois de um período irmos para a Tailândia”, explica Lombardo.

Mais histórias de amor captadas pela equipe do Digitais.

Há 280 km de distância 

Juliana Borelli, 21 anos, estudante de medicina e Murilo Concon, 21 anos, estudante de relações internacionais

O casal Juliana e Murilo está junto há cinco anos e três meses. Eles se conheceram em Campinas, só que há dois anos e meio levam um relacionamento a distância, se encontrando duas vezes por mês, dependendo da situação. Isso porque Juliana cursa Medicina na Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP), há 280km de Campinas. Apesar de se falarem todos os dias por mensagem ou por telefone, a saudade é grande. “Antes eu sabia que se tivesse qualquer problema, em 20 minutos ele estaria na minha casa. Atualmente é diferente, não é que eu esteja sozinha, mas independentemente da companhia, não é a mesma coisa sem ele. Mas por outro lado é bom, isso me faz amá-lo cada dia mais”, explica Juliana.

A confiança, em todo namoro, é um dos pilares para um bom relacionamento. Quando se está longe um do outro então, é essencial. “Você precisa desejar, com todas as suas forças, que a pessoa seja feliz para que ela possa sair sozinha várias vezes no mês sem isso te incomodar e enlouquecer de ciúmes”, conta ela. Um dos principais aprendizados para o casal, depois que tiveram que se adaptar à distância, foi saber valorizar mais um ao outro. “Aprendi a amá-lo mais, respeitá-lo mais e com isso, valorizo muito mais cada momento. O namoro perde a força com briguinhas sem motivo, “ciuminho”… Eu só quero estar perto dele”, diz Juliana. “Quando se aceita esse tipo de namoro, sabemos que a pessoa está preparada a ter uma vida com a outra a longo prazo. Acho que com esse pensamento, qualquer distância é mínima”, completa Murilo.

 

Entre idas e vindas do amor

Tayna Pereira, 21 anos, estudante de engenharia de produção e Fernando de Oliveira Santos, 22 anos, estudante de

engenharia civil

A história de Tayna e Fernando começou na escola. Ele era novo no colégio em que ela estudava e os dois tinham amigos em comum. Até que um dia combinaram de ir à casa de uma amiga onde se conheceram melhor. “Começamos a conversar mais pela internet e trocar mensagens. Até que um dia, um outro amigo nosso percebeu o clima e, durante um intervalo da escola, organizou nosso primeiro beijo. Foi engraçado”, conta Tayna. Conversa vai, conversa vem, o Fernando decidiu pedi-la em namoro, só que ela não aceitou por se considerar nova, com 15 anos na época. Apesar disso, continuaram juntos, sem compromisso. “Depois de alguns dias ele me pediu de novo, e eu neguei de novo. Ele quase entrou em paranoia, quase “terminamos” depois disso também. Ele só foi me pedir em namoro quase 1 ano depois que estávamos saindo! Aí eu aceitei”, explica ela.

Durante o namoro fizeram muitas viagens, mas depois de voltar de uma delas eles decidiram terminar porque se consideravam novos para seguir no relacionamento. “Precisávamos viver experiências novas e ele entendeu que aquela hora seria o momento para isso. Foi difícil, afinal, terminamos gostando um do outro”, diz Tayna. Eles se distanciaram, mas sempre mantiveram a consideração um pelo outro. Cinco anos depois, no aniversário de Tayna, Fernando enviou um buquê de rosas para ela e depois disso não se separaram mais. “Na virada do mesmo ano em que voltamos, quando pulamos as 7 ondas, o sétimo pedido dele foi namorar comigo, dessa vez, não pensei duas vezes! Sim, sim e sim”, conta ela. No total estão há 8 anos juntos, desde o primeiro beijo. “A vida às vezes é engraçada, junto com as voltas que o mundo dá, acredito que o que estamos vivendo é muito bom, mas nada comparado com o que virá”, completa Tayna. Depois do que passaram, ela aprendeu a ter paciência com o relacionamento e se considera mais madura “Não adianta atropelar as coisas. Se tiver que ser, será”, diz ela.

 

Dicas práticas de decoração com alimentos para o dia dos namorados:

Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=ecC1UjzOaDE

Você e seu amor no Digitais!

Por Ana Laura Dellapina

Editado por Murilo Pellucci


Veja mais matéria sobre Estilo de Vida

Veganismo, uma nova forma de se alimentar


A gastronomia vegana exclui qualquer tipo de alimento de origem animal


A dança como um esporte


A modalidade atrai pessoas que buscam por atividade física


Mulheres buscam aulas de defesa pessoal


Mulheres buscam se defender caso aconteça algum tipo de assédio


Atividade física na infância economizaria R$ 70 bilhões


Pesquisa dos EUA aponta que exercícios reduzem despesas médicas ao longo da vida


Tecnologias auxiliam jovens que sofrem com o transtorno


Estou à procura de um jovem que não sinta ansiedade! Se você tem de 18


Dieta de restrição ao glúten para pessoas não celíacas pode trazer problemas à saúde


Redação Digitais Pesquisadores das universidades de Harvard e Columbia, nos Estados Unidos, realizaram um estudo que



Pesquise no digitais

Siga – nos

Leia nossas últimas notícias em qualquer uma dessas redes sociais!

Campinas e Região


Trânsito em Campinas

Facebook

Expediente

Digitais é um produto laboratorial da Faculdade de Jornalismo da PUC-Campinas, com publicações desenvolvidas pelos alunos nas disciplinas práticas e nos projetos experimentais para a conclusão do curso. O layout foi desenvolvido em parceria com o Departamento de Desenvolvimento Educacional (DDE) da instituição. Alunos monitores/editores de Agosto a Dezembro de 2017: Breno Behan, Breno Martins, Caroline Herculano, Enrico Pereira, Giovanna Leal, Láis Grego, Luiza Bouchet, Rafael Martins. Professores responsáveis: Edson Rossi e Rosemary Bars. Direção da Faculdade de Jornalismo: Lindolfo Alexandre de Souza.

Assinar por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar e receber notificações de novas publicações por e-mail.