Indefinida

Grandes cantoras negras da história

Post reúne grandes cantoras negras em comemoração ao mês especial da Consciência Negra /Crédito: Alef Gabriel

Post reúne grandes cantoras negras em comemoração ao mês especial da Consciência Negra /Crédito: Alef Gabriel

Por Alef Gabriel

10441024_765298156861528_3448884754215296477_nContinuando o mês em comemoração ao Dia da Consciência Negra (20), nós do Digitais que já abordamos outras matérias especiais relacionadas como o Atendimento à saúde dos negros e a lista de filmes sobre a data, optamos por fazer esta postagem destacando e homenageando algumas cantoras negras influentes na cultura internacional. Mulheres que por causa da sua cor e talento, fizeram (e ainda fazem) a diferença na sociedade trazendo cada vez mais visibilidade e lutando contra o preconceito racial. Essas verdadeiras divas viveram em épocas diferentes, contribuíram grandiosamente para a cultura do mundo (mesmo enfrentando as mais diversas dificuldades). Talvez você não conheça essas importantes artistas das décadas passadas e nem pelos obstáculos que passaram, mas com certeza consegue pensar em alguma cantora negra bem sucedida atualmente, certamente há esse lugar hoje na indústria musical devido a essas fortes mulheres que fizeram seu talento se sobressair a qualquer tipo de preconceito ou estigma. Confira com a gente algumas das nossas indicações:

Cantora Aretha Franklin/ Crédito: Divulgação

Cantora Aretha Franklin/ Crédito: Divulgação

Aretha Franklin
Cantora norte-americana de gospel, R&B e soul que virou ícone da música negra nos anos 60. Começou cantando cedo, aos 10, na igreja que seu pai havia fundado, logo seu talento se espalhou e grandes ícones da musica gospel começaram a frequentar a casa do pai de Aretha. Consequência disso as grandes gravadoras começaram a ficar sabendo da pequena cantora promissora. Depois de alcançar o sucesso, foi considerada a maior cantora de todos os tempos pela revista Rolling Stone e, pela mesma revista, a nona maior artista da música de todos os tempos. Nascida em Memphis, criada em Detroit, Michigan, Aretha tornou-se a primeira mulher a fazer parte do Rock & Roll Hall of Fame em 1987. Recebeu os apelidos de “Rainha do Soul” ou “Dama do Soul”. Ela é geralmente reconhecida como uma das melhores vocalistas da história da música, segunda cantora a possuir mais prêmios Grammy na história. Aretha possui dezoito prêmios competitivos e três honorários. A artista já foi descrita também como “A voz do Movimento dos Direitos Civis”, “a voz da América Negra” e “um símbolo da igualdade racial”. Inclusive o ex-presidente americano George W. Bush condecorou Franklin com a Medalha Presidencial da Liberdade por “seus serviços aos Estados Unidos”. Alguns dos seus maiores singles são:I say a little prayer” e “Respect.

Nina Simone /Crédito: Divulgação

Nina Simone /Crédito: Divulgação

Nina Simone
Seu nome verdadeiro era Eunice Kathleen Waymon, nasceu em 1933 nos Estados Unidos, foi uma cantora de jazz e blues, compositora, pianista e grande ativista pelos direitos civis dos negros. Tinha mais sete irmãos, seu pai era marceneiro e sua mãe empregada doméstica. Nina treinava para ser pianista clássica mas foi recusada por causa da sua cor em institutos de artes onde morava, então se mudou para Nova Iorque onde adotou o nome artístico para poder começar sua carreira tocando em bares escondida de seus pais.

A onda de racismo crescia nos anos 60 e sem parar de lutar pelos seus direitos Nina começa a ser descoberta nesses pequenos shows que fazia na noite. Foi uma das primeiras artistas negras a ingressar na renomada Escola de Música de Juilliard, em Nova Iorque.
Simone pela primeira vez referiu-se à desigualdade social que prevalecia nos Estados Unidos com a canção Mississippi Goddam, sua resposta ao assassinato de Medgar Evers e a explosão de uma igreja em Birmingham, Alabama, que matou quatro crianças negras, embora essa canção tenha sido boicotada em alguns estados americanos. A partir daí, Nina começou a incluir cada vez mais canções que levavam mensagens a favor da comunidade negra, começou a discursar em passeatas e recitar poemas em seus shows tudo a favor dos direitos civis dos negros.

Devido ao seu envolvimento com a causa, cantou no enterro de Martin Luther King. Gravou para o álbum Pastel Blues (1965) a canção Strange Fruit, de Billie Holiday, uma canção sobre o linchamento de homens negros no sul. Também cantou o poema Images, de William Waring Cuney, em Let It All Out (1966), sobre a falta do senso de orgulho que viu entre as mulheres afro-americanas.
A artista esteve duas vezes no Brasil, onde gravou “Pronta pra cantar (Ready to sing)” com Maria Bethânia em 1990, e seu último show ocorreu em 1997 no Metropolitan. Infelizmente a artista faleceu em 2003 devido ao câncer de mama e seus principais singles de sucesso são: “I put a speel on you“, “Feeling Good“, “Aint Got No – I Got Life”, “I Wish I Knew How It Would Feel To Be Free” e “Here Comes The Sun”.

Ella Fitzgerald/ Crédito: Divulgação

Ella Fitzgerald/ Crédito: Divulgação

Ella Fitzgerald

Nascida nos Estados Unidos em 1917, conhecida como a “Primeira dama da canção”, lembrada por ter uma enorme extensão vocal, com dicção e entonação impecáveis, também brilhava no improviso e é considerada por muitos veículos a maior cantora do século XX. Ella recebeu 14 Grammys durante sua carreira (que durou 59 anos) e foi condecorada duas vezes pelo presidente da época. Infelizmente sua vida no começo não foi nada fácil. Sua mãe morreu quando Ella era pequena, então ela largou os estudos, começou a trabalhar como vigia em um bordel e casa de jogos. Foi presa e enviada para um reformatório, a cantora fugiu e viveu nas ruas até ser mandada para um Asilo de órfãos “de cor”. Fez sua estreia aos 17 anos em um teatro público e ganhou o concurso recebendo o prêmio de 25 dólares. No ano passado, o site do Yahoo! elegeu Ella como maior vocalista da historia da musica mundial. Entre seus sucessos, estão: ‘Dream A Little Dream Of Me‘, ‘Night And Day‘, ‘Let’s do It (Let’s Fall In Love)‘, ‘Cry Me A River‘, ‘Summertime‘.

Billie Holiday/ Crédito: Divulgação

Billie Holiday/ Crédito: Divulgação

Billie Holiday
Para muitos ela é a rainha oficial do Jazz, nasceu nos Estados Unidos em 1915, quando nasceu seus pais eram adolescentes o que fez com que a cantora não tivesse uma infância nada boa. Aos dez anos Billie foi abusada sexualmente por um vizinho, por isso foi internada numa casa de correção para meninas vítimas de abuso. Aos doze, trabalhava lavando o chão de prostíbulos. Aos quatorze anos, morando com sua mãe em Nova Iorque, caiu na prostituição. Ameaçadas de despejo, a futura cantora saiu nas ruas em busca de emprego fixo, entrou em um bar e pediu para ser dançarina, felizmente era péssima, então cantou e conseguiu no ato o emprego para começar a se apresentar. Depois de três anos cantando em bares, um crítico conheceu seu talento e lançou seu primeiro álbum. Foi uma das primeiras negras a cantar com uma banda de brancos, em uma época de segregação racial nos Estados Unidos (anos 30). Depois do sucesso, infelizmente Billie começou a se envolver cada vez mais com drogas e álcool. Pouco antes de sua morte por overdose de drogas, Billie Holiday publicou sua autobiografia em 1956, Lady Sings the Blues, a partir da qual foi feito um filme, em 1972, tendo Diana Ross no papel principal. Canções de sua autoria: Strange Fruit“, “Stormy Blues”, “Our love is different”.

Tina Turner/ Crédito: Divulgação

Tina Turner/ Crédito: Divulgação

Tina Turner
É cantora, atriz, dançarina suíça, nasceu em 1939. Tina se destaca como artista feminina e negra dentro do rock. É também considerada como a Rainha do Rock and Roll, e, segundo o canal de televisão americano MTV, uma das mais dinâmicas cantoras da história. Tornou-se famosa por explosivas apresentações como membro da banda Ike & Tina Turner durante os anos 60 e 70. A fama também veio depois da publicação da sua autobiografia onde contava que sofria agressões do seu ex-marido Ike. Sua carreira musical levou a vários papéis no cinema, começando com um papel de destaque como The Acid Queen em 1975 no filme Tommy. Turner tem sido chamada de a artista de rock do sexo feminino de maior sucesso, e foi considerada a 17º cantora na lista dos maiores cantores de todos os tempos, pela revista Rolling Stone. As somas combinadas dos seus álbuns e singles dão um resultado de aproximadamente 180 milhões de cópias em todo o mundo. A revista Rolling Stone classificou-a como a 63º maior artista de todos os tempos. Atualmente Tina Tuner reside na Suíça e com nacionalidade helvética desde abril de 2013. Canções de maiores sucessos: Simply The Best‘, ‘I Don’t Wanna Lose You’, ‘We Don’t Need Another Hero‘, ‘Proud Mary‘, ‘Let’s Stay Together’ e ‘Rolling on the river“.

Donna Summer/ Crédito: Divulgação

Donna Summer/ Crédito: Divulgação

Donna Summer
Começou no coral de uma igreja no início da sua carreira, na sua adolescência. Com isto depois de terminar o seu ensino médio se juntou a produção alemã do musical Hair. Foi então que se mudou para Munique, acabando por trabalhar em diversos teatros e vários outros musicais. Desde que a sua música Love to Love You Baby teria ficado no topo nas paradas europeias e americanas no ano de 1975 tendo ficado muito conhecida como a grande Rainha do Disco.

Gloria Gaynor/ Crédito: Divulgação

Gloria Gaynor/ Crédito: Divulgação

Gloria Gaynor
Esta começou a sua carreira no chamado Soul Satisfiers, um grupo importante de Jazz Pop durante os anos 60. E assim como Donna acabou consolidando a sua carreira com hits em disco nos anos 70. Acabando assim por emplacar diversos sucessos, sendo assim um dos mais importantes a canção de grande sucesso Never Can Say Goodbye e também o clássico I Will Survive que mais tarde viria a se tornar o hino da comunidade gay.

Whitney Houston
Whitney Elizabeth, nascida em 1963 nos EUA, foi uma cantora de R&B, pop, gospel, além de atriz e modelo. Whitney Houston foi a artista mais premiada de todos os tempos, segundo o Guinness World Records, e sua lista de prêmios incluem dois Emmy Awards, sete Grammy Awards, trinta e um Billboard Music Awards, 22 American Music Awards, num um total de 425 prêmios conquistados em sua carreira até 2013. Houston também foi uma das artistas mais bem sucedidas do mundo da música, tendo vendido mais de 200 milhões de cópias em todo o mundo.
O primeiro papel de Houston no cinema foi no filme O Guarda-Costas (1992), no qual fez um enorme sucesso como protagonista. A trilha sonora original do filme ganhou o Grammy 1994 de Álbum do Ano. Seu primeiro single, I Will Always Love You, se tornou o mais vendido por uma artista feminina na história da música. O álbum é o único de uma artista feminina entre os cinco mais vendidos de todos os tempos, ocupando o quarto lugar. Também está entre os 500 Maiores artistas de todos os tempos da Revista Rolling Stone. Whitney faleceu em 11 de fevereiro de 2012.

Diana Ross/ Crédito: Divulgação

Diana Ross/ Crédito: Divulgação

Diana Ross
Fez parte do grupo musical famoso The Supremes juntamente com mais duas amigas na época. Durante os anos 70, no auge do sucesso do grupo acabou deixando que Diana seguisse sua carreira solo emplacando seu sucesso, Ain’t No Mountain High Enough. Ela também acabou atuando no filme Lady Sings The Blue, o que lhe rendeu uma indicação ao Oscar de 1973 por ter interpretado Billie Holiday.

Algumas da cantoras brasileiras negras que tiveram grandes sucessos dentro e fora do Brasil/ Crédito: Alef Gabriel

Algumas das cantoras brasileiras negras que tiveram grandes sucessos dentro e fora do Brasil e reconhecimento na mídia/ Crédito: Alef Gabriel

Claro que aqui estão só algumas sugestões de cantoras negras influentes na música mundial, mas e você concorda com as indicações? Incluiria mais alguma diva? Deixe seu comentário aqui pra gente. Lembrando que a lista foi feita com ajuda de Izadora Pimenta do blog MYBACKBEAT e Caio Coletti do blog OANAGRAMA. E a estudante de arquitetura da PUC-Campinas Stephanie Ribeiro feminista ativista na luta contra preconceito racial compartilhou conosco sua lista no youtube de cantoras negras.

Editado por Luana Freire


Veja mais matéria sobre Indefinida

Jovem roda o mundo construindo pistas PumpTracks


Redação Digitais Eduardo Arruda acredita que são as bicicletas que realmente movem o mundo! Uma


Moda esportiva ganha universo de jovens


Com pegada despojada, a moda esportiva conquista a cabeça das mulheres. Os saltos altos passam


Existem várias maneiras de voar


Desde criança, Ciro José Porto, fantasiava ser um piloto de caça. Em 1981, quando atingiu


Existem várias maneiras de voar


Por Danilo Leone Desde criança, Ciro José Porto, fantasiava ser um piloto de caça. Em


Quando a informação é só o começo do prazer


Por Raíssa Bazzo Zactiti 11 de setembro, assassinato de jogador de futebol, buraco na estação


Um sorriso do lado de cá


Por Joycy Cintra São cinco da tarde de uma terça feira e ela já adianta



Pesquise no digitais

Siga – nos

Leia nossas últimas notícias em qualquer uma dessas redes sociais!

Campinas e Região


Trânsito em Campinas

Facebook

Expediente

Digitais é um produto laboratorial da Faculdade de Jornalismo da PUC-Campinas, com publicações desenvolvidas pelos alunos nas disciplinas práticas e nos projetos experimentais para a conclusão do curso. O layout foi desenvolvido em parceria com o Departamento de Desenvolvimento Educacional (DDE) da instituição. Alunos monitores/editores de Agosto a Dezembro de 2017: Breno Behan, Breno Martins, Caroline Herculano, Enrico Pereira, Giovanna Leal, Láis Grego, Luiza Bouchet, Rafael Martins. Professores responsáveis: Edson Rossi e Rosemary Bars. Direção da Faculdade de Jornalismo: Lindolfo Alexandre de Souza.

Assinar por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar e receber notificações de novas publicações por e-mail.